14/03 – Rumo a Puno – Perú – voltando a pilotar ;-)

Depois de causar tanta preocupação aos amigos e familiares devido ao acidente, eis que dia 14 voltei a pilotar, dessa vez em direção a Puno. A alguns dias um amigo que tbm se acidentou ao voltar pilotar disse que “andar de moto é mais fácil que andar a pé”, e não é que é verdade? Rsrs molezinha 😛

Dolorido foi só subir na moto, depois não saía nem pra abastecer rsrs 😛

 

A estrada de Cusco a Puno é bacana, estava beeeeem frio… pegamos um pequeno trecho de chuva que chegou a 6 graus… mas tudo bem, mta roupa e capa de chuva.. sobrevivemos :-)

 

A única coisa que não foi fácil foi o almoço, paramos num vilarejo e uma senhora começou a chamar para comer caldo de pollo(frango), ok, estávamos com fome… bora lá,  mas ao chegar… era só água quente com frango, um gosto naaaada agradável rsrs o Carlos ainda tentou misturar milho seco e botar pra baixo… mas ainda assim foi uma batalha rsrs

Em se tratando de comida acho que esse caldo e o feijão com anis em Cusco foram os piores até agora.

 

Continuamos seguindo e a rodovia continuava em ótimo estado e com paisagens bonitas, somos só elogios ao Perú, excelentes estradas, que diferença do nosso Brasil =/

 

O único adendo é que foi necessário atravessar Juliaca, e aí não foi nada fácil =/ . Meu GPS deu problema ainda no Brasil e então estávamos sem referência de rota. O  transito estava horrível, pessoal sem educação, não existe preferêncial… um cara numa Hilux até chegou a encostar no alforge do Boni, um perigo!! No meu caso foi complicado pq até então ainda estava com o retrovisor direito quebrado, mto tenso!! Sem contar o medo de alguém bater em mim =/  já pensou no estrago de novo?

A entrada da cidade estava em obras conforme nos falaram… mas pergunta daqui, pergunta dali e no fim td se resolve. Ao entrar na cidade fomos parados pela segunda vez pela polícia peruana (a primeira foi após Mazuco), mas tudo ocorreu normalmente, foram muito gentis e ainda fizeram questão de nos orientar a como chegar a Puno. O único documento que pediram foi o SOAT de uma das motos, isso já foi o suficiente. Uns 25 minutos depois, logo ao pegarmos a rodovia para Puno fomos novamente parados pela polícia, estavam num carro a nossa frente e ao nos ver já deram sinal para parar, fomos todos para o acostamento e tudo continuou perfeito,  a apresentação do SOAT e da PID foram o suficiente, e ainda foram gentis em direcionar que aquela rodovia estava correta para Puno e que ainda levaríamos uns 30 –  40 minutos.

Assim que chegamos a Puno já fomos recebidos com a vista do Titicaca, embora estivesse no final da tarde ainda assim foi um presente que valeu a pena!!!

 

Este foi o dia determinante em que percebemos que o Giro Latino realmente iria continuar, claro que é um risco… mas nossa determinação e vontade são muito maiores. O lema da viagem começou a ser um refrão do Forfun:

“Sem bad trip, nada me abala… abra sua mente, faça sua mala”
 
Bora lá que o Titicaca é emocionante, td mundo firme na garupa 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>