11/03 – Valle Sagrado – Cusco – Peru

De acordo com a Wikipédia, sagrado é “algo que merece veneração”, e essa é uma definição oportuna para o Valle Sagrado de Cusco: lugares tão lindos que merecem mais do que admiração, merecem respeito, encantamento e  reverência, tantos pelas construções e ruínas quanto pelo povo que persisti em seguir as tradições mantendo viva essa cultura.

Bem, a agência de viagem que contratamos, a Fabulous foi realmente fantástica, tanto no cuidado conosco pessoalmente em sempre procurar saber como eu estava qto pela organização do nosso pacote turístico, proporcionando a chance de momentos incríveis e exatamente conforme o planejado, isso foi ótimo porque nesses dias realmente demos uma parada na motocaria, precisava me recuperar o quanto antes dos machucados pois ainda teremos mtos kms pela frente.

O passeio começou logo com um mirante de encher os olhos. De lá já era possível ver os picos nevados ao fundo, foi a primeira vez que ví neve, mesmo estando longe… ainda assim foi uma das paisagens mais lindas que já passei.

 

 

Começamos a visitar as  ruínas de Pisac que está entre as mais lindas do Valle Sagrado.

 

 

É interessante a harmonia da natureza com as ruínas. Por ficar em lugar muito alto, nessas cidades os Incas construiam diversas “faixas” afim de manter a agricultura.

Ao observar o tipo de pedra usada concluímos que várias partes eram consideradas sagradas, é um lugar realmente surpreendente.

Seguimos para o mercado artesanal de Pisac e finalmente tirei a foto que tanto queria com uma lhama filhote *-* tão fofa

 

Uma dica e curiosidade é que claro, se paga para tirar esse tipo de foto, quando se pergunta o preço eles falam “1 voluntário” que equivale a 1 Sol ou “1 propina”, que equivale a 5 Soles, bom ficar atento a isso 😉

Seguimos para Ollanta, o caminho todo é bellissimo tbm, diversos vales, plantações, animais, montanhas, pedras… como é possível existir lugares tão lindos *-*

O objetivo principal era conhecer  Ollantaytambo, que na minha opinião foi o lugar mais lindo e incrível que passamos.

Diz a lenda que Ollanta foi um dos militares favoritos do Inca Pachacútec, mas ele cometeu o desfavor de se apaixonar pela filha do Inca tendo a ousadia de relatar isso ao rei. O rei não gostou nada da ideia e mandou matar Ollanta, mas este fugiu levando seu amor consigo, dizem que eles tiveram uma filha que era a mais linda entre as mulheres. Com o propósito de se refugiar é que tbm construíram esse paraíso. Ahhhh que amor *-*

Ollantaytambo foi palco de muitas guerras, inclusive com o Inca Pachacútec, e depois com os espanhóis, por isso muitas partes estão destruídas.

 

De acordo com a crença, os mortos quando enterrados em montanhas se incorporavam e se transformavam tbm na montanha, uma coisa interessante é essa montanha que fica bem em frente Ollantaytambo e que tem a aparência de um rosto de um velho sábio na foto abaixo.

Na foto abaixo é tbm possível observar umas ruínas quadradas , essas ruínas eram armazens de alimentos. O Império Inca era mantido com o trabalho de tds, não haviam pessoas ociosas, e ladrões eram duramente castigados. De tudo o que se produzia, 50% ficava para o povoado, 25% ía para o rei e 25% deveria ser guardado nos armazéns, para que tivessem segurança em épocas ruins ou se precisasse socorrer algum outro povoado devido algum problema.

O interessante desses armazéns ficarem no alto das montanhas é a refrigeração natural que recebem o tempo todo.

 

 

Não foi fácil subir e descer todas essas escadas, mas todo o esforço realmente valeu a pena.

 

A paisagem por todos os lados continuava incrível!!!

Seguimos então para Chinchero, qdo recebemos uma aula incrível de como esse pessoal produz as lãs utilizadas para o artesanato. Todo o processo, inclusive a pigmentação, é natural e artesanal, um trabalho demorado e incrível!!!

 

Foi tudo muito interessante e regado a base de chá de coca rsrs

Uma frase do Albert Einstein me chama muito a atenção: “Além das aptidões e qualidades herdadas, é a tradição que faz de nós aquilo que somos “. Bem, me pego pensando sobre a perspectiva de vida desses povoados, trabalham exatamente como a centenas de anos, e num mundo que está em constante evolução é interessante essa quebra de paradigma promovido por eles, as mudanças são bem vindas caso ajudem, mas elas não superam as tradições e os cuidados que os antepassados destes tiveram. As casas de barro, as roupas coloridas e artesanais, o trabalho no campo… todas são formas de sobrevivência não só de uma população, mas de uma cultura e tradição que é realmente valorizada por essas pessoas.

 

3 comentários sobre “11/03 – Valle Sagrado – Cusco – Peru

  1. Antonio Ribeiro

    O Vale Sagrado, realmente é show… já passei por aí de moto; …em Noellen, vc escreveu assim: "De lá já era possível ver os picos nevados ao fundo, foi a primeira vez que ví neve, mesmo estando longe…" mas… vcs passaram pelo Nevado Ausangate, entre Marcapata e Ocongate, depois de Abra Pirhuayani com seus 4.725 m.s.n.m., com muita neve, bem mais perto e tbm mais bonito, que estes relatados por vcs no Vale Sagrado; uma região impressionante; e vc não relatou nada, será que estava com neblina e vcs não viram, ou ainda foi por causa do acidente? Próximo a que cidade foi o acidente?… por algum motivo vcs não viram esse nevado, que é muito bonito, e tem neve o ano todo;

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>