Estrada Real – de 06 a 08 de Julho – Parte 1

No feriado prolongado de 06 a 08 de Julho, o top_dog(RAlves), o Osama e eu traçamos o objetivo de percorrer o caminho velho da Estrada Real, uma forma de se aventurar por lugares incríveis, descobrindo e revivendo os passos percorridos pelos escravos, pela realeza, pelo ouro e pela história.

O Caminho Velho se consiste no trajeto que vai de Paraty a Vila Rica (atual Ouro Preto). A partir da descoberta de ouro na região de Minas Gerais em fins do século XVII, este caminho transformou-se na rota preferida para atingir-se a região das minas, assim como para o escoamento de ouro, que era transportado por mar de Paraty para o Rio de Janeiro, de onde embarcava para Portugal. Esta via estendia-se por mais de 1.200 quilômetros, percorridos em cerca de 95 dias de viagem.

Com esse banho de história e cultura, ficamos ansiosos por essa aventura. Nosso objetivo era fazer de Guaratinguetá até Ouro Preto, sendo o mais fidedignos possível a rota e aos marcos, e pra ficar ainda melhor… de moto o/

Saímos de Taubaté no sábado de manhã com direção a Guaratinguetá. A Dutra, como sempre, estava com o trânsito intenso, mas deu tudo certo na chegada.

O Osama e o top_dog baixaram as planilhas e o mapa que determina a rota que deveríamos pegar, na próxima vez, prometo que vou criar vergonha na cara e baixar tbm, coisa feia ficar só seguindo eles né :$ . Enfim, achamos o primeiro marco e foi o máximo quando a aventura começou pra valer. Encontramos uns caras que estavam percorrendo uns caminhos a cavalo, deve ser legal tbm hein, e foi divertido encontrá-los, muito figuras.

 Quando pegamos a estrada de terra, aí sim nos sentimos na estrada real, e qdo o caminho começou a ficar um pouquinho mais desafiador… ficou ainda mais divertido, a paisagem mudou… e o cheiro tbm rsrs nem lembrava qual era o cheiro de bosta de vaca, e fede viu 😛  a aventura veio com o pacote completo rsrs.

 No geral, de Guaratinguetá a Vila do Embaú (Cachoeira Paulista), a estrada está boa e da pra passar tranquilamente com qualquer moto. Fica mesclando entre trechos de terra e asfalto. Apenas uma coisa chata, o Governo está construindo uma barreira em uma das partes, a pé ou de bicicleta da pra passar, mas de moto… compensa dar a volta, é muito estreito pra atravessar.

Neste trecho, já próximo à divisa dos estados, há 3,5 km de trilha na Garganta do Embaú, e essa parte foi sofrível. Ok ok, o lugar é lindo, e os desafios são sempre as partes mais legais, mas só gostei depois que acabou ¬¬’, calma, explico o por que:

Primeiro: Em três trechos não consegui subir, estava com medo e o Osama gentilmente passou pra mim, ele ia merecer dois certificados pela façanha, e eu nenhum ¬¬’ rsrs

Segundo : Como sei que estava enchendo o saco por ficar pra trás ou vir devagar, me deixaram ir na frente, maaaasss … em uma das subidas tinha um pedra grande no meio do caminho, ao passar por ela perdi o controle e fui direto pra grama, comprando um belo terreno pra coleção ¬¬’ que raiva!!!!

Posso tentar me justificar? Tenho menos de dois meses com a Lander, estou começando o off agora :’/ e já ir pra uma trilha assim…prometo que na próxima vou dar um jeito de me virar e ir num ritmo mais rápido, prometo mesmo :'( e atravessar sozinha :'( aí o certificado será inteiro meu kkkk

Bem, depois que terminamos a trilha, que alívio!!! Mas a paisagem lá de cima fez o esforço valer, que vista incrível *-*


 

Dica de amiga: Para quem não tem tanta experiência (assim como eu) é bom não se aventurar a descer essa trilha, pra subir até vai (mais ou menos né rsrs)… Mas pra quem se aventurar a descer, olhem o lado bom, não dizem que pra descer todo santo ajuda? Então, nessa trilha pode ser até ateu que vai chegar lá em baixo, de um jeito ou de outro rsrs . Tem algumas partes bem íngremes, e que logo após a descida já é algum córrego, as vezes não dando tempo suficiente pra parar caso venha embalado. As pontes/pinguelas não estão em bom estado, e se tiver chovido então… é lama na certa, boa sorte então viu 😉

O final/começo dela é bem na divisa dos estados de SP e MG, ao lado de uma lanchonete chamada Topo da Serra, e de um mirante dedicado à Nossa Senhora da Conceição.

A partir daí, o caminho voltou a ficar bem tranquilo, neste primeiro dia fomos até São Lourenço. Nos hospedamos na pousada Terra das Águas, a R$ 25, da pra acreditar? E com um ótimo café da manhã o/ valeu muito a pena!!!

Jantamos também na padaria São Lourenço, bons preços e ótimos pratos, muito bom mesmo, mas acho que nossa fome e cansaço ajudou a gostarmos tanto do lugar rsrs.


 Enfim, primeiro dia desafiador, mas superado o/  Segue a montagem das fotos e gravações:

O link das fotos é: https://picasaweb.google.com/102582818090024966870/0608DeJulhoEstradaReal?authkey=Gv1sRgCPDN1vjxuuKd-QE

O Osama e o top_dog tbm fizeram montagens com as filmagens, é bem legal ver o ponto de vista de cada um, segue aí tbm o/

 

Bom demais o/ logo vem o restante da aventura o/

6 comentários sobre “Estrada Real – de 06 a 08 de Julho – Parte 1

    1. Noellen

      Concordo RAlves, questão de HONRA!!!

      E não é só o caminho velho não, algum dia completaremos os 4 caminhos rsrs

      Somos HighLanders ou não somos???? kkkkk

      Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>