07/07 – De Marataízes à Guriri

Até esse momento da viagem, já se passaram mais de 1000 km rodados, e até onde vamos para realizar um objetivo? Para motociclistas … distância não é limite !!!

Eis que continuamos rodando pelo Espírito Santo, agora tendo como destino a Ilha de Guriri, mais um destino valendo a pena o/

Bem, saímos de Marataízes de manhã, com um dia lindo, e com a beleza do caminho que fizemos … foi incrível!!! Alguns amigos ficam perguntando se já estou com a bunda quadrada, ou toda dolorida e coisas do tipo, mas não, já estou acostumada a andar de moto, e gosto tanto, mas tanto … que o corpo entende e nem reclama rsrs. Durante o percurso todo senti apenas dor no pulso esquerdo quando fomos de Maricá a Marataízes, principalmente porque exigiu muito da embreagem, mas o Rodrigo trouxe um anti-inflamatório milagroso, que se fosse distribuído gratuítamente resolveria todos os problemas da humanidade rsrs o negócio é muito bom, nunca mais vou viajar sem um desses. Resolveu minha dor no pulso, a dor de dente do Rodrigo, a dor de cabeça da Jane, a dor no Joelho do Flávio … to falando que o trem é bom kkkk

Então, como já dito, saímos logo cedo de Marataízes sentido Ilha de Guriri, perto de São Mateus, ainda no Espírito Santo. A saída da cidade não é muito boa, mas o visual vale a pena. Passamos por vários vilarejos de pescadores, algumas outras cidades bem interessantes também, como Guarapari, que por sinal, já está nos planos voltar lá o/ … passar nos vilarejos não é tão legal porque não é bem sinalizado, nosso objetivo era pegar a Rodovia do Sol sentido Vitória, mas quem tem boca vai a Roma, certo?

Quando pegamos a Rodovia … ela é o máximo, excelente, se não me engano com apenas uma pedágio de R$ 0,90, linda e com asfalto muito bom, e pelo menos ao que observamos… por enquanto sem radares rsrs. Com essa Rodovia, chegamos a Vila Velha e Vitória, e que cidades lindas, logo planejo conhecê-las como destino. Detalhe importante: Assim que entra em Vila Velha os radares começam, e toda a velocidade deve ficar na média de 60 km/h, todos os semáfaros tinham camêra, nada de avançar, vale a atenção 😉

Ahh e no próximo passeio pelo Espírito Santo, tomara que seja com os Highlanders, e ái do Eddie se ele não for também, nem que eu o coloque na garupa 😛

Tem uma ponte linda que liga Vila Velha a Vitória, lembra muito a Rio-Niterói, babação de ovo total nelas rsrs

As fotos acima a Jane gentilmente tirou pra mim, pilotando fica complicado registrar tudo, mas é linda, pessoalmente então … emocionante 😀

Depois que passamos Vitória, a ideia era continuar pela costa indo por Jacaraípe, mas pegamos a entrada errada e tivemos que ir pela Serra, e a saída foi horrível, até Fundão foi um estresse total ¬¬’ trânsito horrível, cheio de caminhões, sem pontos de ultrapassagem e os carros colados em nós ¬¬’. No alfalto não tinha buracos, tinham crateras ¬¬’ tão grandes que o Flavio passou em um e estourou o amortecedor da Twister, que tensão ¬¬’. Maaass depois que esse trecho horrível passou, as coisas melhoraram um pouquinho, depois de Linhares então, aí sim, bem mais tranquilo. Almoçamos em Linhares, na Beira da Pista, selv-service bem tranquilo. A BR 101 desse ponto em diante foi uma beleza, alfalto bem melhor, mas dá um sono danado, tudo reto, pouquíssimas curvas, a preocupação é só nos momentos de ultrapassagem dos caminhões, por que são muito grandes e, qdo carregados, soltam muita sujeira em nós.

Chegamos a tardinha na Ilha de Guriri, e deu pra conferir a praia novamente, mas como não tínhamos onde ficar, tínhamos que procurar logo.

De novo indo pra praia de calça e tênis, acredita que ainda não entrei no mar em nenhum desses dias? Coisa doida rsrs

Rodamos, rodamos, rodamos … nada de achar camping ou pousada barata. Quando estávamos voltando para São Mateus, encontramos a pousada Sabiá que Canta, relativamente boa e com área de camping. Eles estavam fazendo R$ 50 o casal, mas um pouco caro né, seu Flávio e a Cris ficaram no quarto mesmo, o Rodrigo, a Jane e eu acampamos, R$ 15 por pessoa.

Descobri algo muito legal que fiz, levei duas barracas, e esqueci as varas de uma delas, nota 10 pra mim hein ¬¬’ que raiva.

De qualquer forma, ainda tem a outra, já que seu Flavio não usou, então usei essa mesmo.

Eles nao tinham banho quente para a área de camping, mas demos um jeito de convencer a nos deixar usar um dos banheiros dos quartos, como fui a primeira a ir pro banho, quando abri o chuveiro … surpresa … cadê a água quente? Ainda bem que estava calor ¬¬’ Cada coisa que acontece viu.

Durante a noite, pra ajudar choveu muito, tudo ficou molhado, tão divertido também ¬¬’ mas faz parte, deu pra descansar da mesma forma, e já falei que o saco de dormir foi a segunda melhor compra que já fiz? rsrs Pois é 😛

De manhã estava um dia lindo, hora de pegar a estrada novamente 😀

De Marataízes até Guriri, mais 403.4 km o/

Gastos do dia =/ ainda dentro do orçamento, mas como vai dinheiro né:

Bem, a viagem continua, e sempre curtindo muito, próximo destino: Bahia o/ vamos que vamos o/

5 comentários sobre “07/07 – De Marataízes à Guriri

  1. Anônimo

    Oi Noellen… estarei acompanhando seu Nordestão pq iri realizar o meu tb de moto no final do ano… saindo de Ribeirão Preto para Paraty e depois pegando as rodovias transitáveis pelo litoral até Fortaleza…

    Que o Anjo dos Motociclista esteja na sua garupa te protegendo e proporcionando um Nordestão melhor que vc esperava….
    Bjs no coração
    Carlos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>